Capital de Giro X Capital Social: Veja as suas diferenças

Você é um empreendedor nato, conhece bem a sua área de atuação, entende do seu mercado, mas quando o assunto é gestão, se perde pelo caminho?

Muitas vezes, por não ter familiaridade com suas particularidades, como documentação ou números, os empresários acabam cometendo erros. E isso pode custar caro à saúde do seu negócio.

Mas, calma! Ao longo desse artigo você vai entender a diferença entre dois conceitos importantes, além de suas aplicações práticas na gestão da sua empresa: vamos falar sobre a diferença entre capital social e capital de giro, começando pelo momento da abertura da empresa e seu capital social.

Afinal, o que é Capital Social?

Todas as empresas têm um capital social, inclusive os Microempreendedores Individuais (MEI’s), ou pelo menos deveriam ter! No momento da abertura de uma empresa é importante ter algum valor para investir neste novo negócio. E quando se trata de sociedade, todo o montante investido por cada um dos sócios também contará como capital social.

Valores em dinheiro, imóveis, ferramentas, equipamentos, veículos, etc. podem ser considerados como investimentos e devem ser contabilizados como capital social da sua empresa.

Um ponto importante a ser levado em conta nesse momento é que todo investimento feito por cada sócio, inicialmente representará sua porcentagem na participação da sociedade. Ou seja, se você abre um negócio sozinho, 100% do capital social é seu. Por outro lado, se sua empresa tem sócios e cada um investiu valores diferentes, essa porcentagem será proporcional a esse valor. Deu para entender?

Então, se Maria investiu R$ 20 mil e Luana investiu R$ 80 mil, o valor total do capital social é de R$ 100 mil. Nesse caso, Maria tem participação de 20%, enquanto Luana, 80% na sociedade.

Como você já deve ter entendido, o capital social corresponde ao montante inicial de investimentos de uma empresa. Agora, chegou a hora de saber mais sobre outro tipo de capital, importantíssimo para a manutenção da saúde contábil do seu negócio. Já sabe qual é?

Qual a importância do Capital de Giro?

Abrir uma empresa e fazer esse investimento dar certo é o maior desafio dos empresários e empresárias ao redor do mundo. E o mais importante: é preciso ter e fazer dinheiro para garantir que o seu negócio siga com uma vida financeira saudável.

O capital de giro é, justamente, o que assegura a manutenção e a geração do dinheiro. Com ele, é possível investir em novos estoques, matérias-primas, equipamento para a realização de serviços, pagamento de impostos, salário dos colaboradores e despesas futuras que podem surgir inesperadamente a qualquer momento.

A utilização do termo “giro” traz justamente a ideia de ciclo, ou seja, corresponde à movimentação do capital da sua empresa. Todos os custos e despesas de um negócio são pagos pelo capital de giro.

Nessa movimentação, você precisa entender que há dois tipos de recursos nos caixas das empresas: os que entram – que são os ativos – e os que saem – conhecidos como passivos.

O sucesso do seu negócio estará intimamente ligado ao fato de você ter capital de giro suficiente para dar conta dos pagamentos da empresa. Ter em mente que você precisa equilibrar os ativos e passivos fará toda diferença na sua gestão.

Por isso, esteja atento(a) a toda movimentação do caixa, nada pode passar despercebido. E aqui vai uma recomendação importante: você precisa saber qual o valor ideal de capital de giro para o seu negócio. Já pensou sobre isso?

Se ainda não entendeu o que é Capital de Giro, confira este guia rápido do SEBRAE SP!

E como fazer este cálculo?

Lembra que falamos sobre ativos e passivos? Vamos precisar deles para calcular o capital de giro da sua empresa e você verá como é simples.

O capital de giro é a diferença entre os ativos circulantes – que nada mais são do que o dinheiro que seu negócio possui em caixa, no banco ou para receber dos clientes – e os passivos circulantes – que são as contas a pagar, despesas e custos do dia a dia.

Ah, não esqueça que no mundo dos negócios organização é tudo! Anote todos os  gastos da sua empresa, contas fixas, impostos, equipamentos, manutenções, estoque. Até os imprevistos devem ser registrados.

Se, após o pagamento de todos esses custos o valor final for positivo, comemore! Sua empresa está conseguindo arcar com as contas e tendo lucros. Mas, se por acaso o valor final for negativo ou a margem de lucro pequena, você precisa entender urgente a situação e reverter esse quadro!

Pessoa contribuindo para o Capital
Foto de cottonbro no Pexels

Saiba como melhorar o Capital de Giro do seu negócio

No final das contas o valor final do seu capital de giro ficou abaixo do esperado ou deu negativo? Mantenha a calma! Separamos algumas dicas para você administrar essa situação:

1. Diminua as despesas

Pare e avalie todas as suas contas fixas e variáveis, assim você poderá entender como está o fluxo de caixa do seu negócio e como pode melhorá-lo. Corte despesas extras desnecessárias, entenda que esse momento de crise vai passar, mas você precisará abdicar de algumas coisas.

2. Tenha o controle do seu fluxo de caixa

Inspecione todas as entradas e saídas do caixa. Procure criar planejamentos: planilhas de entrada e saída podem ajudar e muito a ter esse controle em mãos. Arquive corretamente os seus documentos, invista em tecnologia e, de preferência, procure uma empresa ou profissional da contabilidade para te auxiliar.

3. Controle seu estoque

Ter estocado em sua empresa mais do que o necessário, pode lhe trazer prejuízos. Isso porque, o valor investido de maneira inadequada com compras de mercadoria poderia estar pagando as contas fixas. Além disso, produtos parados por muito tempo podem se desvalorizar. Assim, o mais recomendado é manter o equilíbrio.

4. Negocie sempre

Se a situação apertou, negocie! Entre em contato com seus fornecedores e tente diminuir os valores, negociar pagamentos, etc. Se você tem uma boa relação com eles, faz os pagamentos em dia, certamente irão entender o momento de crise que você atravessa e fazer um acordo.

5. Diminua os prazos

Quanto maior for o prazo dado aos clientes para pagamento, maior será a necessidade de manter o capital de giro. Isso porque, com o aumento dos prazos, você demora mais a receber e continua tendo que arcar com suas contas fixas e despesas extras. Dessa forma, a melhor saída é incentivar o pagamento à vista ou no cartão de crédito.

Tendências Atuais e Futuras em Finanças Empresariais

Sobre as tendências atuais e para o ano de 2024 em relação às finanças empresariais, elas refletem a contínua evolução tecnológica e a crescente importância da sustentabilidade e transparência. Alguns dos principais desenvolvimentos são:

Inteligência Artificial (IA) e Automatização

A IA está se tornando uma ferramenta indispensável na gestão financeira, utilizando algoritmos avançados e aprendizado de máquina para analisar grandes volumes de dados, identificar padrões, realizar previsões e detectar fraudes.

Além disso, a automatização de processos financeiros, impulsionada pela IA, machine learning e robótica, permitirá que tarefas repetitivas sejam automatizadas, liberando profissionais para se concentrarem em atividades mais estratégicas e analíticas​​​​.

Conformidade, Sustentabilidade e Transparência

A conformidade com regulamentos como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) está se tornando crucial para garantir a segurança e a privacidade dos dados dos clientes. Paralelamente, práticas corporativas socialmente responsáveis e sustentáveis (ESG) estão sendo cada vez mais adotadas, refletindo um movimento global em direção à responsabilidade ambiental, social e de governança corporativa.

Essas tendências estão alinhadas com um crescente foco na análise de dados, onde as empresas usarão big data e IA para obter insights mais profundos sobre seu desempenho financeiro​​​​​​.

Blockchain e Descentralização da Informação

A tecnologia de blockchain está revolucionando a maneira como as informações financeiras são armazenadas e compartilhadas, oferecendo verificação, transparência e imutabilidade dos dados.

Isso reduz a dependência de intermediários tradicionais e tem implicações significativas para as transações financeiras, incluindo o uso de criptomoedas e finanças descentralizadas (DeFi). O blockchain promete transformar a gestão financeira, tornando as transações mais seguras, transparentes e eficientes​​​​.

Open Banking e Open Finance

Estas iniciativas representam a abertura dos sistemas bancários e financeiros para que terceiros autorizados possam acessar dados financeiros dos clientes, a fim de fornecer serviços e produtos personalizados.

Essa tendência visa aumentar a concorrência no setor, melhorar a experiência do usuário e fomentar a inovação na gestão financeira​​​​.

Segurança Cibernética e Armazenamento em Nuvem

Com a crescente dependência de tecnologia, a segurança cibernética se tornou uma prioridade na gestão financeira. As empresas estão focando em medidas robustas de segurança para proteger seus dados e informações.

Paralelamente, o armazenamento em nuvem está se tornando uma prática essencial, oferecendo mais eficiência para os processos financeiros, facilitando a colaboração entre departamentos e garantindo um controle financeiro mais preciso e seguro​​​​.

Movimento Paperless

Por fim, a transição para processos financeiros “sem papel” está ganhando força. A digitalização e automatização de tarefas estão reduzindo a necessidade de documentos físicos, contribuindo para a sustentabilidade ambiental, eficiência operacional e redução de custos​​.

Essas tendências indicam uma transformação significativa no mundo das finanças empresariais, com um enfoque crescente em tecnologia, sustentabilidade e transparência. As empresas que se adaptarem a essas mudanças estarão melhor posicionadas para prosperar em um ambiente de negócios em constante evolução.

Conclusão

Todas essas dicas são muito importantes em momentos de crise, mas também podem ser uma ótima opção para manter o capital de giro positivo constantemente. Lembre-se: entender sobre esses conceitos não te faz um expert em contabilidade, mas lhe abre a compreensão de que precisa do suporte de uma empresa especializada para que você possa focar no que importa, o sucesso do seu negócio.

E se você gostou desse artigo e quer saber mais sobre gestão de empresas e como incrementar o seu negócio, não deixe de conferir o nosso blog!

Perguntas Frequentes sobre Capital de Giro

Quais são os 3 tipos de capital de giro?

Os três tipos de capital de giro são operacional, permanente e temporário, cada um representando diferentes necessidades e durações de financiamento na operação empresarial.

Como se faz um capital de giro?

Para criar um capital de giro, avalie as necessidades financeiras da empresa, obtenha recursos através de empréstimos, investimentos ou vendas, e gerencie eficientemente as entradas e saídas de caixa.

Qual o valor ideal para capital de giro?

O valor ideal para capital de giro depende das operações e do ciclo financeiro da empresa, mas geralmente deve cobrir todas as despesas operacionais previstas para pelo menos um ciclo completo de operação.

Como fazer para ter capital de giro?

Para ter capital de giro, é possível recorrer a empréstimos bancários, antecipação de receitas, financiamentos específicos para capital de giro ou reinvestir lucros da empresa.

O que é capital de giro exemplo?

Capital de giro é o dinheiro necessário para financiar a continuidade das operações diárias de uma empresa, exemplo: recursos para pagar fornecedores e despesas enquanto aguarda o recebimento de vendas a prazo.

Gostou do nosso post? Então compartilhe com seus amigos:

Sobre o autor

Rui Cadete

Relacionados

Categorias

Newsletter

Os melhores conteúdos do mundo contábil na sua caixa de e-mail! Preencha suas informações abaixo e inscreva-se:

Fale agora com um especialista
e entenda como podemos te ajudar: