Índice de Inadimplência: aprenda a fazer o cálculo + formas de organização

O cenário dos sonhos de todo e qualquer gestor financeiro é poder contar integralmente até a data de seus vencimentos, com todos os seus recebíveis. Porém, na vida real, as coisas não funcionam bem assim, e muitos clientes não conseguem honrar seus compromissos nas datas acordadas. 

Na gestão de crédito, o índice de inadimplência consiste numa variável importantíssima e definidora de políticas creditícias, tanto de empresas no âmbito privado, quanto de entidades públicas, que ofertam crédito ao cidadão e também fomentam a economia. 

Mas o que é a inadimplência?

Como já  se pode deduzir a inadimplência é o descumprimento de alguma responsabilidade financeira, quando algum pagamento celebrado em contrato não é liquidado até a sua data de vencimento. 

Exemplos comuns é quando atrasamos a fatura do cartão de crédito, a parcela do financiamento ou empréstimo, e até mesmo quando se atrasa o bom e velho carnê da lojinha mais próxima, aí entramos na lista de devedores das empresas. Nada bom, hein? 

Como o índice de inadimplência pode afetar a saúde financeira da sua empresa? 

O indicador do Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor, aponta que o Brasil tem milhões de consumidores inadimplentes, afetados principalmente pelo desemprego e as crises econômicas que comprometem o orçamento familiar. No outro lado da moeda estão as empresas, que também sofrem com essa problemática cada vez mais presente no cotidiano organizacional, que em muitos casos, não conseguem receber por suas vendas e serviços prestados. 

Aqui, pontuamos 4 problemas causados pelo índice de inadimplência descontrolado em sua empresa, vejamos: 

1 – Insuficiência no controle do fluxo de caixa

O fluxo de caixa, que é uma projeção do saldo para um determinado período, é diretamente afetado pela inadimplência de clientes, e compromete perigosamente a liquidez de caixa, principalmente naquelas empresas com recebimentos de longo prazo. 

O remédio, é a adoção de métodos modernos de controles como a utilização de planilhas eletrônicas e softwares específicos. 

2 – Desgaste no relacionamento com o cliente

Com os não recebimentos vem a cobrança, e uma cobrança mal planejada pode arruinar de vez o relacionamento com o cliente devedor. Podendo ele até mesmo protelar esse pagamento, por se sentir de alguma forma afrontado. 

Sem dúvidas a cobrança é uma prática constrangedora para as partes envolvidas, a dica é investir no treinamento e aperfeiçoamento dos seus colaboradores, bem como usar softwares de cobranças automática, que garantem uma abordagem adequada e otimizam os recebimentos. 

3 – Comprometimento da saúde financeira da empresa 

O resultado das operações de uma empresa está diretamente ligado às receitas por ela realizadas, e tudo pode ser claramente evidenciado nas demonstrações contábeis, como a DRE (Demonstração do Resultado do Exercício) e o Balanço Patrimonial

Situações que, essas demonstrações apresentem índices altos de inadimplência podem comprometer o relacionamento com investidores, dado que resultados negativos geram insegurança no mercado. É importante que os gestores identifiquem tempestivamente tais situações, e promovam medidas que as convertam em resultados positivos

4 – Projeções erradas de faturamento

De modo “curto e grosso” a projeção de faturamento deve ser completa, ou seja, o gestor deve considerar: receitas, impostos, custos, despesas e inclusive, a inadimplência de seus clientes

Vale lembrar, que antes de pôr em prática um projeto ou contrair uma dívida, a empresa não pode contar com 100% dos futuros recebimentos. É importante, que o departamento financeiro gerencie perfis daqueles clientes que são bons pagadores e aqueles que atrasam, assim, será possível trabalhar com estimativas mais próximas da realidade. 

Abaixo, separamos algumas dicas que irão te ajudar neste momento. É muito importante estar atento a todos os detalhes para evitar que o índice de inadimplência fique no vermelho. Confira!

Dica para Evitar Inadimplentes #01: Dados dos clientes atualizados

Embora ter o nome limpo da praça seja um bom indicador, não é garantia de que o cliente poderá sempre honrar com seus pagamentos. Estipule um período para atualizar e analisar os dados dos seus consumidores, e elabore um plano de ação para uma tomada de decisão mais rápida e assertiva, principalmente, caso de algum novo cliente venha a procurar sua empresa.                   

Dica para Evitar Inadimplentes #02: Adote uma política de crédito

Adotar uma política de crédito é uma forma bastante eficaz de diminuir o índice de inadimplência no seu negócio e, como resultado, ter as receitas aumentadas. Infelizmente, não dá para contar com a boa-fé de todas as pessoas. Não é mesmo? 

Portanto, poder contar com uma política de crédito bem estruturada vai ser decisivo na hora de bater o martelo, e você terá mais segurança nos seus negócios, sabendo para quem deve vender, como pode cobrar, e até mesmo tomar medidas mais extremas, como negativa-lo, ou recorrer à medidas judiciais.  

Ah! Automatizar a consulta de crédito pode ser uma alternativa interessante, uma vez que, o processo fica menos vulnerável à falha humana, o que poderia prejudicar não só o seu negócio, mas como também o negócio do seu cliente

Dica para Evitar Inadimplentes #03: Como cobrar o cliente devedor?

É certo que as medidas preventivas são totalmente capazes de reduzir o índice de inadimplência em sua empresa, conforme nos orienta o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). E por mais prevenido que você seja, em algum momento atrasos irão acontecer. É aí que as ações de cobranças devem entrar em prática, para remediar a situação. 

Um fator importantíssimo nas estratégias de cobrança é o tempo, quanto mais demorar na identificação de recebimentos em atraso, mais difícil será cobrar, e consequentemente, maior será o prejuízo. Logo, um bom gerenciamento financeiro não permite que clientes devedores escapem do seu radar. 

Executar uma cobrança não é tarefa tão simples, pois é preciso receber o que lhe é devido sem que isso afaste negociações futuras. Para ter sucesso nessa empreitada você deve definir, basicamente:  

  • O tempo máximo de atraso tolerado;
  • A abordagem do cliente e quais os canais serão utilizados para isso;
  • Os tipos de penalidades que poderão ser aplicadas, como juros, multas e inscrição em órgãos de proteção ao crédito; 
  • Quais os critérios para renegociação de dívida; 
  • Quando e quais medidas extrajudiciais e judiciais tomadas;
  • O prazos de execução de cada etapa prevista; 

Agora é arregaçar as mangas e mãos à obra, não dá para ficar no prejuízo!

Quando considerar o cliente incluso no índice de inadimplência? 

Antes de começar a fazer cálculos, é válido levar em conta certos fatores externos, e pode-se destacar aqui, por exemplo, a situação econômica que passa o país. Algumas vezes um cliente fiel pode se encontrar em dificuldade e isso não deve ser ignorado.

Contudo, a prática comum de mercado é incluir na inadimplência os recebíveis com atraso de 90 a 180 dias. Passado esse tempo, geralmente as medidas legais são executadas. Entretanto, esse prazo pode ser adaptado conforme política da sua empresa.

Como calcular o índice de inadimplência da sua empresa

Pois bem, feito todo esse apanhado chegou a hora de aprender a calcular o índice de inadimplência no seu negócio, e não se assuste, porque não há complicações. 

Usaremos a seguinte fórmula:

TI = ( T90 / TT ) x 100

Onde:

TI → Índice de inadimplência que queremos descobrir;

T90 → Pagamentos que estão em atraso por 90 até 180 dias;

TT → Total de parcelas com vencimento no mês.

*Portanto, se quer calcular o TI de julho deverá considerar pagamentos que deveriam ser realizados em janeiro, fevereiro e março.

Pronto, basta dividir os valores que estão atrasados pelo valor total das parcelas e multiplicar por 100. O resultado será o percentual de inadimplência da sua empresa em determinado período.  

Acompanhe no exemplo:

Mês de vencimento da parcelaTotal das parcelas com vencimento no mêsValor total pago (parcelas com vencimento no mês)Valor das parcelas não pagas até 31 de março
JaneiroR$ 80.000,00R$ 77.000,00R$ 3.000,00
FevereiroR$ 150.000,00R$ 148.000,00R$ 2.000,00
MarçoR$ 100.000,00R$ 99.000,00R$ 1.000,00

TI = (3.000 + 2.000 + 1.000 / 80.000 + 150.000 + 100.000) x 100

TI = (6.000 / 330.000) x 100

TI = 0,018 x 100

TI = 1,8%

Ou seja: o índice de inadimplência em julho foi de 1,8%.

Zerar o índice de inadimplência do todo mês seria a condição perfeita de trabalho que todo gestor, mas isso é quase impossível, principalmente no Brasil, onde se parcela quase tudo. Alguns gestores defendem que índices de inadimplência de 10% a 15% possam ser baixos.   

Estratégias de Prevenção da Inadimplência

A inadimplência pode representar um dos maiores desafios para a sustentabilidade financeira de uma empresa. Por isso, adotar estratégias eficazes de prevenção é fundamental para manter um fluxo de caixa saudável e assegurar a longevidade do negócio.

Uma abordagem prudente envolve a implementação de uma política de crédito clara, que estabeleça critérios rigorosos para a concessão de crédito. Essa política deve incluir a análise detalhada da capacidade de pagamento do cliente, utilizando informações de crédito atualizadas e indicadores financeiros relevantes.

Além disso, é importante educar a equipe de vendas sobre a importância de seguir esses critérios, garantindo que as políticas de crédito sejam aplicadas consistentemente.

Outra estratégia vital é a gestão ativa de cobranças. Isso envolve o monitoramento contínuo das contas a receber, identificando prontamente os sinais de possíveis atrasos ou inadimplências.

A implementação de um processo de cobrança estruturado, que comece com lembretes amigáveis e evolua para ações mais assertivas conforme necessário, pode ajudar a minimizar o impacto financeiro da inadimplência.

Além disso, oferecer opções de pagamento flexíveis e negociar planos de pagamento podem ser abordagens eficazes para recuperar dívidas sem prejudicar a relação com o cliente.

A tecnologia também desempenha um papel crucial na prevenção da inadimplência. Ferramentas modernas de gestão financeira e sistemas automatizados de análise de crédito podem proporcionar insights valiosos sobre o comportamento de pagamento dos clientes, permitindo a identificação precoce de riscos.

Essas tecnologias podem auxiliar na tomada de decisões mais informadas sobre concessão de crédito e na implementação de estratégias proativas de cobrança.

Em suma, a combinação de políticas de crédito bem definidas, gestão ativa de cobranças e o uso estratégico da tecnologia pode significativamente reduzir o risco de inadimplência e fortalecer a saúde financeira da empresa.

Conclusão

A gestão eficaz da inadimplência é um pilar fundamental para a saúde financeira de qualquer empresa. Ao compreender o cálculo do índice de inadimplência e incorporar estratégias de prevenção, as organizações podem não apenas mitigar os riscos associados ao crédito, mas também promover um ambiente de negócios mais estável e confiável.

A adoção de tecnologias avançadas e práticas proativas de gestão financeira desempenham um papel crucial nesse processo, permitindo uma análise mais precisa e intervenções mais efetivas.

O conhecimento detalhado sobre como calcular e interpretar o índice de inadimplência, juntamente com a implementação de medidas preventivas, equipa as empresas com a capacidade de antecipar desafios e adaptar-se a um mercado em constante mudança.

Por fim, a inadimplência não deve ser vista apenas como um obstáculo, mas como uma oportunidade para aprimorar a gestão financeira, fortalecer as relações com os clientes e assegurar um crescimento sustentável a longo prazo.

Gostou do nosso post? Então compartilhe com seus amigos:

Sobre o autor

Rui Cadete

Relacionados

Categorias

Newsletter

Os melhores conteúdos do mundo contábil na sua caixa de e-mail! Preencha suas informações abaixo e inscreva-se:

Fale agora com um especialista
e entenda como podemos te ajudar: